A felicidade no trabalho vale dinheiro
Felicidade no Trabalho

A felicidade no trabalho vale dinheiro!

A felicidade no trabalho vale dinheiro! é o título de uma notícia na secção de Economia do Expresso, em fevereiro de 2019. O tempo passou. O mundo mudou. A mensagem continua em voga.

A felicidade no trabalho é uma moda?

Há quem diga que sim. Porque é mais fácil pensar em algo como uma situação passageira. Uma situação que logo, logo, será substituída por outra moda. E entretanto, entre a mudança das modas, o não fazer nada é visto como uma forma inteligente de poupança. Sim… há quem pense que não investir nas pessoas, e na sua felicidade no trabalho é uma poupança, meramente administrativa. Mas… muitos sabem que não o é! Outros sentem-no!

Onde apareceu esta tendência?

Na verdade, pouco importa o onde. Porque todos nós, humanos, pensamos nisso, certo? Como sermos mais felizes. Como estarmos em (melhor) bem estar. Como vermos as nossas necessidades pessoais supridas?
Na verdade desassociar o ser humano da sua felicidade é que deveria ser caso de estudo. Porque muitas empresas maquinizam as pessoas? Porque muitas empresas restringem os direitos de SER?

Quer o gestor ou acionista de uma empresa queira, ou não, as pessoas são pessoas. E se em tempos de restrição e acesso ao conhecimento o medo e a opressão foi uma arma valiosa. Hoje os seres humanos, na nossa sociedade, nascem com uma nova consciência: Nascemos para ser livres!
Livres para pensar. Livres para sonhar. Para reconhecer o que queremos ou não para as nossas vidas. Livres para ser contratados. E livres para nos libertarmos das relações nas quais não nos sentimos inteiros.

Felicidade no trabalho... a tendência do estar bem!

Independentemente de quem usou pela primeira vez a expressão Felicidade no Trabalho, estar bem no trabalho é o essencial. E muitos estudos se tem focado nesta face do humano nas empresas: a Felicidade e o Bem-Estar.

Vários estudos nacionais e internacionais debruçam-se sobre o tema da Felicidade. 

E em Portugal até temos pós-graduações sobre o tema. Em que os programas resultaram do investimento desses estudos.

E ao analisarmos cada um destes estudos, e cada um dos focos de estudo, vemos algo em comum. O ser humano apenas quer uma coisa: estar bem! E o bem-estar é, de facto um dos maiores investimentos financeiros que fazemos, nas vidas privadas, que traz retorno. E as empresas, quando o fazem, vem também, a mudança dos seus investimentos a acontecer.

Porque os gestores devem investir em felicidade no trabalho?

Pensar em felicidade e bem estar no trabalho é imperativo, para o crescimento das empresas.

Segundo “um estudo recente indica que por cada euro investido em programas eficazes com impacto na vida das pessoas pode haver um retorno até 13 euros” (Teresa Espassandim in expresso). 

O investimento (ou não) nesta área, será o divisor de águas entre as empresas que crescem, e as outras. Com os seus colaboradores envolvidos, proativos, comprometidos com missão, a empresa cresce. Os negócios florescem. As ideias e as soluções sucedem-se. 
As outras, andarão em esforço. A tentar acompanhar um mercado que já não existe. A tentar impor esforço, onde as pessoas sabem, que noutro lado, podem prosperar e estar bem.
Em suma, hoje sabemos que existem outros lugares- Que podemos simplesmente dizer adeus aquele trabalho que não nos faz bem. E que podemos viver em felicidade no trabalho.

Sou gestor... como sei se o que estou a fazer bem?

Investir em Felicidade é bom para o negócio. Ponto.
Tal Ben-Shahar, professor em Harvard especializado em Psicologia Positiva e da Liderança, partilhou a sua visão com a revista Exame: Não chega investirmos num bom ambiente e em boas condições laborais. É preciso criar interações humanas!

Investir nas relações humanas... o melhor investimento!

É isso mesmo!
Invista em criar espaços agradáveis, políticas agradáveis para os seus trabalhadores. É essencial. E nesta estrutura de base, complemente com o melhor: invista em momentos “olhos nos olhos”!

O melhor investimento que as organizações podem fazer nos dias de hoje: Investir na humanidade!

Sejam eventos sociais de convívio, team buildings divertidos, momentos para que os colaboradores possam rir… juntos! O lado mais humano, as emoções, o contacto, além dos temas do dia a dia, são essenciais para que o investimento esteja completo!

Estejam onde estiverem os trabalhadores: no escritório, em casa, a viajar. Hoje, as tecnologias trazem-nos essa magia: a alegria de estarmos juntos, pode ser feita a partir de qualquer lugar! E tornam o investimento ainda mais rentável.

Quando vai começar a investir nas relações  – verdadeiramente – humanas na sua empresa? Quanto vai investir?

Lembre-se: A felicidade no trabalho vale dinheiro… e um bom retorno no investimento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *